workshop Práticas de Des-Imunização #3 (Lisboa, 26 Maio) – inscrições abertas!

As Práticas de Des-Imunização surgem do campo de afinação entre o que temos chamado, em nossas respectivas práticas, de política de co-passionamento (Fer), e ternura radical (Dani). Partem do desejo de experimentar procedimentos relacionais e práticas político-afetivas encarnadas para a trans-formação social, explorando a dobra entre o íntimo e o político; entre os modos da vinculação proximal e aqueles que poderão operar, por fractalidade e emergência, mudanças sensíveis no coletivo.

Criar as condições para o exercício desta política outra para a constituição situada do viver juntes envolve acolher o risco e comprometer-se com o cuidado recíproco. Retomar territórios afetivos imunizados pelos mecanismos da indiferença ou pelo fechamento identitário, circunscrevendo zonas de intimidade temporárias com o desconhecido e o desconhecível, experimentando estados de vulnerabilização deliberada e de elasticidade variável da permeabilidade.

Sob a forma de circuitos sensoriais e micro-scripts performativos em duplas, trios e pequenos grupos, as Práticas de Des-Imunização procuram criar um ambiente de respeito, confiança e acolhimento, que permita a abertura para uma experimentação franca de modulações não-hierárquicas e disseminadas das potências dissidentes do amor, propondo uma sensibilidade política que questione – pela via da vivência directa – os limites das noções ocidentais, coloniais, (pós)modernas e capitalistas de privacidade, identidade e separabilidade.

As Práticas de Des-Imunização emergem de uma investigação-criação em processo, que acontece sobretudo em relação. Daí a proposta de periodicamente fazer encontros abertos, em modo oficina, para partilhar e experimentar os procedimentos e as proposições vivenciais que estamos a criar. Este será o terceiro encontro em Lisboa, aberto a qualquer pessoa que se sinta sintonizada com essas questões.

Data/Horário: Domingo 26 de Maio, 14-20h

Custo: entre €10 e €20 (contribuição consciente)
Para mais info/inscrições: danidemilia@gmail.com

Fernanda Eugenio )www.and-lab.org) – Antropóloga, artista, investigadora e docente. Trabalha com pesquisa de campo, escrita, performance ampliada, proposições urbanas situadas e, sobretudo, com a construção de modos de fazer transversais para a composição relacional e para a criação por re-materialização – nomeadamente o Modo Operativo AND, metodologia que desenvolve há quinze anos e tem vindo a ser amplamente utilizada em diversas áreas. Desde 2011 dirige a plataforma AND_Lab | Arte-Pensamento e Políticas da Convivência – com sede em Lisboa e núcleos no Brasil (Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo) e Espanha (Madrid) – a partir da qual explora os entre-lugares emergentes de uma trajetória marcada por colaborações intensivas, deslocações e desvios, entre a pesquisa académica estrita e uma investigação singular dos usos artísticos e políticos da etnografia como ferramenta circunscritiva-performativa. É pós-doutora (2012) pelo ICS – Universidade de Lisboa; doutora (2006) e mestre (2002) em Antropologia Social (Museu Nacional, UFRJ) e formada em Dança pela Escola Angel Vianna. No Brasil, foi Pesquisadora Associada do CESAP/IUPERJ (2003-17) e Professora Adjunta de Ciências Sociais na PUC-Rio (2005-12). Nos últimos quinze anos tem atuado como professora convidada em diversos programas de formação em ciências sociais e humanas, artes e performance na Europa, EUA e América do Sul. Suas criações artísticas, colaborações e publicações circulam por Brasil, Chile, Argentina, Peru, Portugal, Espanha, França, Itália, Grécia, Alemanha, Áustria, República Checa, Reino Unido, EUA e Vietnã. É membro do Baldio | Estudos de Performance, com quem criou o primeiro Curso Experimental em Estudos de Performance em Portugal e da R.I.A. | Rede de Investigação Artística.

Dani d’Emilia (www.danidemilia.com) – Artista e educadorx transfeminista. Desde 2001 trabalha internacionalmente em projetos de performance, artes visuais, teatro e pedagogia radical. É co-fundadorx da companhia de teatro imersivo Living Structures (Reino Unido) e do espaço artístico Roundabout.lx (Lisboa, PT). Dani foi membro do coletivo de performance transnacional La Pocha Nostra (MX/US) entre 2011-2016 e do dueto transfeminista Proyecto Inmiscuir (ES/MX) entre 2015-17. Atualmente colabora com os programas Gorca Earthcare (Eslovênia), Free Home University (Itália), e com os coletivos Gesturing Towards Decolonial Futures (Universidade de British Columbia, Canadá) e ANDlab (Centro de Investigação em Arte-Pensamento & Políticas da Convivência, Porugal/Brasil), além de outros contextos de investigação encarnada. Utilizando o potencial da performance/arte como um ‘modo de encontro encarnado e sensível’, o trabalho de Dani combina performance-pedagogia (a prática da performance como um processo pegagógico de des-aprendisagem e criação arte-vida), transfeminismo (feminismo interseccional e trans* inclusivo), aproximações descoloniais (interrogando legados coloniais em nossas corpo-subjetividades) e ternura radical (um modo de resistência político-afetiva, tecida no exercício do ativismo ‘para dentro e para fora’). Sua formação inclui: MA – Literatura Comparada y Estudios Culturales, Universidad Autonoma de Barcelona (Espanha, 2016); MA – Programa de Estudos Independentes dirigido por Paul B. Preciado, Museo de Arte Contemporanea de Barcelona (Espanha, 2015); BA – Devised Theatre and Visual Arts Practices, Dartington College of Arts (Reino Unido, 2007); Diploma em Mime & Physical Theatre, Desmond Jones School (Reino Unido, 2003); e diversos outros treinamentos com artistas e educadorxs independentes em teatro, performance, live art, artes visuais, pedagogia radical e outras praticas corporais.