Dis-solution Practices / Práticas de Dis-solução

As Práticas de Dis-solução são uma colaboração entre Dani d’Emilia e Fernanda Eugenio, que desdobra a pesquisa a que têm se dedicado desde 2018, à volta da elasticidade das capacidades de vinculação íntima com o desconhecido/desconhecível e de possíveis percursos para a ativação de modulações não-hierárquicas e disseminadas do amor. Em uma primeira etapa desta pesquisa, criaram as Práticas de Des-imunização, focando-se em modos de retomada dos territórios afetivos imunizados pelos mecanismos da indiferença e do fechamento identitário, característicos dos funcionamentos hegemônicos entre humanos e de um enquadramento colonial-capitalístico. Sem que este trabalho nunca se dê por terminado, em 2020, fortemente influenciades pela pandemia covid-19, essa pesquisa foi se expandindo a um nova zona de investigação, as Práticas de Dis-solução. Procurando transmutar as condicionantes em condições e fazer da “falta de contato físico” entre humanos uma brecha para alargar as experimentações na direção de um repertório de intimidade relacional mais vasto, estas práticas buscam um contato sensível com o fundo comum da Vida – feito não só do entrelaçamento com outres nomeáveis como “semelhantes”, mas também da imbricação de cada ume com o corpo da Terra, com a vastidão ilimitada da vida para além e aquém das formas.

Apostando na sintonização com as valências da (dis)solvência como meio para pesquisar possíveis “foras” do regime hegemônico da solução, as Práticas de Dis-solução trabalham com a matéria íntima/pessoal para atravessá-la, mirando sintonizações com o infra e o transpessoal que permitam repousar no tecido da inseparabilidade, descansar no sentir distribuído e percorrer todo o espectro das sensações até a sua borda se (des)integrar no fora/dentro. 

Neste primeiro ciclo, que integrou a edição piloto da Escola do Reparar (Agosto-Dezembro, 2020), as Práticas de Dis-solução entraram em conversa com as Dez Posições ante o Irreparável, ferramentas-conceito criadas por Fernanda Eugenio e usadas de diferentes formas no trabalho do coletivo AND Lab. Deste encontro emergiu uma primeira série de ações psicossomágicas, programas performativos para operar no sensível através de uma formulação mágico-ritual que ativa operações de dis-solução: (des)integração, trans-formação, (trans)bordamento, com-temporaneidade e re-pouso.

Ao longo deste período, Dani e Fernanda realizaram transmissões online quinzenais nas quais partilharam um pouco do processo de investigação/criação destas práticas. Algumas imagens de registro, captadas na Residência LAND (Algarve, agosto 2020) e no Roundabout LX (Lisboa, setembro-dezembro 2020) podem ser vistas AQUI.

Em breve também será disponibilizada ao público uma série de cinco vídeos, cada um abordando as práticas de Dis-solução em conversa com uma dupla de palavras-posições: (an)coragem & co(m)passionamento, constistência e comparência, firmeza e franqueza, suficiência e justeza, des-ilusão e des-cisão.